InícioCalendárioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Joseph Curtis (Athena)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Joseph Curtis

avatar

Masculino Apelido : Joe
Idade : 20
Mensagens : 22

MensagemAssunto: Joseph Curtis (Athena)   Ter Maio 29, 2012 10:43 pm

Player
  • Nome: Cauê
  • Outros personagens: -

    Informações Básicas

  • Nome: Joseph Curtis
  • Apelido: Joe
  • Filho de Athena
  • Sexo: Masculino
  • Local de Nascimento: Stillwater, Oklahoma
  • Data de Nascimento: 06/01/1997
  • Estado Civil: Solteiro
  • Sexualidade: Heterossexual

    Meio-Sangue

  • Poderes maiores: -
  • Arma Mágica: -
  • Falha Fatal: Teimosia. Joseph é teimoso a ponto de não se entregar, fugir ou se dar por vencido nunca. Não importa o quanto a sua situação é desesperado e suas possibilidades são nulas, sua teimosia sempre está em primeiro lugar.


    Família

  • Progenitor Mortal: Richard Curtis foi um psicólogo e cientista tão inteligente quanto louco. Beirando a insanidade que tanto tentava controlar em seus - poucos - pacientes, sua genialidade era igualmente notável. Tudo em si exalava genialidade, como seus olhos azuis que estavam sempre correndo de um lado de um modo quase paranoico, era um modo interessante de mostrar sua percepção apurada, sua postura que era quase a de um ponto de interrogação ambulante e sua aparência desleixadamente. Apesar da sua personalidade orgulhosa, era um homem cativante, era um homem que cultivava suas - poucas - amizades e que os tratava com amor. Entretanto, suas relações com o sexo oposto sempre fora complexas, pela sua obsessão pelo trabalho, nunca houve alguém que esteve por tempo o bastante junto a este.
  • União: A união entre um deus e um mortal é algo realmente indescritível. Se perguntado a Richard, a sua resposta não deverá ser muito diferente da de muitos outros. 'Mágico...' Ele diz. Sua falta de palavras para descrever a união de ambos reflete o quão incrível foi. Apesar de sua falta de palavras para descrever o que houve, faltou tempo e palavras para explicar o que aconteceu para seu unigênito. Sempre que este assunto era levantado, a única palavra que lhe é achada para descrever o que houve é dita e nada mais. Para Joseph, o assunto sempre pareceu irrelevante para o seu pai, o que é totalmente o contrário, este apenas está em êxtase demais até os dias atuais para relatar qualquer coias sobre.
  • Outros parentes: -

    Biografia


  • Descoberta: Apesar de sempre frequentar as melhores escolas que o dinheiro pode pagar, Joseph constantemente foi expulso destas por motivos em gerais fúteis. No auge da confusão causada pelos hormônios da adolescência, pensou ser esquizofrênico, já que a maioria dos psiquiatras e psicólogos que consultou assim o diagnosticou. Suas visões de criaturas, pessoas e objetos estranhos ajudavam o diagnostico médico. Entretanto, seu pai, uma autoridade no ramo psicológico, discordava. Dizia que era apenas algo que ele iria descobrir por si mesmo. Entretanto, apesar de quando suas visões se estabilizarem, os pesadelos lhe perturbavam. Sempre os pesadelos. Sonhava com coisas perturbadoras o bastante para acordar gritando por quase todas as noites, embora não consiga lembrar-se de sua maioria. Era inevitável que fosse levado a uma escola longe de seu pai, já que foi expulso de todas as outras em que lhe estavam próximas, e foi ali que tudo mudou. Apesar de cordial, Joseph sempre fora muito quieto e isso não lhe ajudou a fazer muitos amigos, entretanto, em uma das escolas em New Orleans que foi matriculado, nutriu uma amizade logo de cara com um dos garotos mais velho que ele. Ethan, era um aluno do terceiro ano que era a estrela da escola, esperança do time de basquete e a mais bonita voz do clube de teatro. Por influência deste, Joe aprendeu a tocar violino. Apesar do pouco tempo que se conheciam, os acontecimentos que lhes precediam eram quase que exatamente iguais. Ambos tinha déficit e dislexia e na infância viam coisas. Apesar do alívio que Joseph sentiu por não estar sozinho, Ethan havia começado a agir diferente. Parecia estar mais cauteloso e mesmo que distante e evasivo, parecia estar sempre por perto, parecia temer algo. As férias estavam chegando, e Ethan praticamente havia implorado para que Joseph o acompanhasse para um acampamento, com hesitação, Joseph aceitou. No dia em que iam para o tal acampamento, foram acompanhados por um homenzinho com não mais do que um metro e meio e que resmungava o tempo todo. A viagem foi guiada pelo homenzinho que não parou de resmungar nem quando dormia, foi uma viagem longa de alguns dias, entretanto, a amizade de ambos os adolescentes foi suficiente para mante-los entretido. A viagem corria bem e eles estavam perto do destino quando algo aconteceu. O cheiro de dois semideuses juntos era demais para ser ignorado, e de fato, não foi. Uma criatura daquelas em que estava presentes nas visões de Joseph havia aparecido. Uma criatura de três metros e um olho gigante. Apesar do nervosismo e medo que fizera o garoto tremer e ficar paralisado, o homenzinho e Ethan aparentemente estavam esperando por isso. Foi a única vez na viagem inteira que o homem deixou de resmungar e parecia estar realmente animado, quando tirou do porta-malas um porrete de madeira, no mesmo lugar, Ethan havia puxado um arco equipado com flechas e um aljava. 'Que merda é essa? Estou enlouquecendo de vez...' Pensava repetidamente Joseph. Ethan gritava para ele alguns comandos básicos e como correr e se esconder, e apesar da esquisitice da ocasião, este obedeceu. Apesar de ter certeza que não passava de uma grande alucinação, teria que dançar conforme a música se quisesse sair desta. Entretanto, correr e se esconder não era o bastante, a vitória era algo mais perto do inimigo do que de seus aliado. O que nenhum dos presentes estavam esperando é que a mente de Joseph funcionava de modo confuso, como a do seu pai, entretanto, era eficiente. O tempo que passou fugindo, foi bem gasto analisando os movimentos dos seus colegas e do inimigo, e assim pode criar uma estrategia e sussurra-la para Ethan, apesar de audaciosa e arriscada, foi o que garantiu o sucesso. Após vencido, o monstro havia simplesmente virado pó; E apesar do esperado, Joseph não acordou em uma realidade diferente, pois essa era a realidade. As longas horas que se passaram em direção ao acampamento foram gastas com explicações longas sobre o lugar e o que Joseph era. As coisas faziam sentido, mas simplesmente não conseguia acreditar, era cético demais...

  • Vida de Campista: Recém chegados no acampamento, Joseph foi recebido pelo diretor de atividades. Quíron, o centauro. Havia conhecido Sr.D, há quem atribuiu como alguém com personalidade excêntrica e extravagante. Não havia entendido nada do que ambos disseram, apesar do mau humor presente em Sr.D e o carisma de Quíron, para Joseph, ambos tinham dito o que seu amigo e o homenzinho haviam lhe informado anteriormente. Conversava com estes por um bom tempo. Na verdade, mais ouvia do que falava. Sempre que dizia algo, era uma ou duas palavras separadas, nunca uma frase inteira. Sua mente confusa estava atordoada demais para formular frases. Entretanto, no meio das maçantes e longas explicações, uma coruja havia entrado inquieta, e como se fosse possível, carregava um livro. Deixou o livro com Joseph e saiu do mesmo modo que entrou: sem explicação alguma. Quíron e Sr.D deram um pulo, ambos pareciam entusiasmados, embora com motivos diferentes, Quíron parecia realmente estar feliz por Joseph agora poder entender tudo e Sr.D por poder se livrar deste. Foi encaminhado até o chalé de número 6, onde conheceu superficialmente algumas pessoas e lhe deram uma cama. Por orientação de Quíron, os outros que habitavam o chalé mantiveram certa distancia do novato, tinha muito o que entender e estava confuso demais para conversar e se relacionar. Ficou por horas engolindo cada palavra que o livro trazia consigo e apesar de ainda se manter cético por isso, a cada nova linha parecia começar a aceitar o que estava acontecendo. Se fosse verdade, então estava dividindo aquele chalé com irmãos e irmãs, como era possível? Apesar de ter suas próprias dúvidas, havia finalmente aceito isso. Aquela noite dormiu sem comparecer ao jantar, apenas sussurrava para que sua mãe ouvisse que ele sentiu a sua falta.

  • Vida de Mortal: Apesar de saber que não terá muito tempo com seu pai, passará todo o seu tempo livre do acampamento com este, Joseph se mantém cada vez mais interessado pelos negócios paterno e psicologia.


  • Missões: -

    Físico



  • Altura: 1,75m
  • Peso: 60kg
  • Cor dos Olhos: Cinzento.
  • Cor do Cabelo: Castanho.
  • Corpo: Seus olhos possuem a mesma intensidade de cor da dos seus meio-irmãos, entretanto, um toque de percepção e insanidade herdada de seu pai o que torna seu olhar peculiar. Sua pele é quase sempre pálida por não gostar muito de atividades, preferindo estar atento a um livro. Apesar disso, as habilidades que era obrigado a fazer o renderam alguns músculos que são levemente visíveis.
  • Vestimenta comum: Veste-se de forma comum, geralmente a primeira coisa que está em sua frente, sendo que a combinação clássica que mais se repete é o jeans e camiseta, embora por vezes acompanhado por algum chapéu ou blusa elegante.


    Personalidade


    A personalidade de Joe pode ser descrita com um simples passar de olhos, sua postura, olhar e tom de voz lhe entregam facilmente. Dono de uma língua afiadíssima que geralmente está bem guardada dentro de sua boca, Joseph geralmente se mantém calado por opção. Afastado por não querer se manter perto demais. Sua cautela em fazer amigos e em qualquer outro tipo de coisa é quase paranoica, parece ter de estudar cada pequeno detalhe antes de dar um mínimo passo. Não é do tipo de quem seja fácil tirar informações ou pensamentos, embora se mostre bastante comunicativo quando lhe dá na telha. Sua mente trabalha de forma cética e cientifica demais para a maioria das outras pessoas, a maior prova disso é ter visto com seus próprios olhos a batalha com um ciclope e não ter acreditado em semi-deuses. Não é difícil imagina-lo fazendo algo mau para aqueles que confia, não por simples maldade ou sadismo, mas simplesmente pelo desejo da investigação e ter a ideia dos efeitos de cada causa, entretanto, sua curiosidade é tamanha que este faria a mesma coisa consigo mesmo.


  • Gosta: Leitura, psicologia, tocar violino.
  • Odeia: Atividades (É um tanto preguiçoso quanto a isso) e futilidades.
  • Medo: Aracnofobia.

    Círculo de Contatos


  • Amigos: -
  • Relacionamentos: -
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Joseph Curtis (Athena)
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» MEDICINA DA ALMA - JOSEPH CLEBER / Robson Pinheiro

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Administração :: Controle de Personagens :: Fichas-
Ir para: